Grande Oriente Lusitano

Biblioteca do Grande Oriente Lusitano

A Biblioteca do Grémio Lusitano foi fundada em 1873, numa das salas do Grémio quando ele estava instalado na Rua Nova do Carmo, passando em 1880 para a atual sede, no Palácio Maçónico. Em 2015 a Biblioteca muda novamente de instalações, passando a estar disponível no edifício da antiga Escola Oficina nº 1, no Largo da Graça nº 58 em Lisboa.  

Foi organizada por Henrique Jerónimo de Carvalho Prostes (1844 – 1890), jornalista e escritor, cônsul de Portugal no Sião e em Génova, onde morreu.

Como então informava o Boletim do Grande Oriente Lusitano Unido – Supremo Conselho da Maçonaria Portuguesa, «os irmãos estudiosos e aqueles que verdadeiramente se interessam pelos destinos desta instituição universal, poderão já ali encontrar um avultado número de subsídios para enriquecer o seu espírito» (nº 6, II Série, Setembro de 1873, p. 94).

A Biblioteca foi enriquecida ao longo do tempo – o próprio Boletim dava conta de muitas das publicações recebidas – mas também conheceu diversas vicissitudes, ao sabor da situação política. Os assaltos, pilhagens e destruições que o Palácio Maçónico sofreu durante o sidonismo e após o 28 de Maio de 1926, culminando com a proibição da Maçonaria, em 1935, a dissolução do Grémio Lusitano e a espoliação dos seus bens, afetaram-na dramaticamente, acabando por liquidá-la e por dispersar o seu espólio.

No entanto, depois do 25 de Abril de 1974 foi possível recuperar muitos dos livros que tinham sido confiscados e depositados no ministério das Finanças. Também se têm registado diversas doações e aquisições que muito a enriqueceram.

Dessa forma, a atual Biblioteca, para além de bibliografia geral e de temáticas afins, é constituída por um fundo considerável de obras maçónicas portuguesas, antigas e modernas: monografias, publicações periódicas, folhetos e panfletos, dos séculos XIX e XX.

Também existem muitas obras estrangeiras, a partir do século XVIII, com destaque para boletins, revistas e anuários de Obediências de todos os continentes com as quais o Grande Oriente Lusitano mantinha relações, e que constituem um acervo único em Portugal e pouco vulgar no mundo.

Fazem ainda parte da Biblioteca muitas obras portuguesas e estrangeiras mais modernas e têm-se efetuado aquisições com o objetivo de atualizar a bibliografia maçónica e de a completar com a compra de obras antigas.

Embora seja necessário informatizar a biblioteca e estejam a decorrer trabalhos nesse sentido, ela está organizada e aberta aos sócios do Grémio Lusitano.